Metamorfose

Lista de e-mail

Cadastre-se e receba novidades e conteúdos exclusivos

Thank you for your message. It has been sent.
There was an error trying to send your message. Please try again later.

Olá, Humanos! 

Quero te contar uma história, talvez pessoal até demais, mas que diz muito sobre a minha conduta profissional.

Não sei se você já sabe, mas sou psicóloga e nutricionista, por isso, mesmo antes da nutrição comportamental estar em voga, sempre tive uma abordagem que prioriza bastante questões comportamentais no atendimento nutricional!

Eu não tenho a pretensão de mudar alguém da água pro vinho em uma consulta, nem conseguiria tal proeza. A metamorfose da lagarta em borboleta, símbolo da minha logo, é uma analogia que eu escolhi como uma filosofia, e justamente por isso, considero o trabalho gradual de mudança de hábitos como uma chave para resultados sustentáveis durante o acompanhamento! 

Para exemplificar isso, minha companheira, a Cuti, não come tão bem quanto eu gostaria. No quesito hábitos saudáveis somos quase opostas. Eu sempre mostro nos meus stories no instagram a reação dela aos meus pratos saudáveis, chega até a ser cômico. 

Por isso, muitos amigos próximos, pacientes, alunos, seguidores me questionam:

 “Mas, Thais, como VOCÊ não consegue mudar a Cuti?”. 

A minha resposta é aquele clichê, mas que se encaixa muito aqui: ninguém muda ninguém!

Tanto com ela, quanto com os meus pacientes, meu objetivo é facilitar o caminho e dar as ferramentas necessárias a quem já está disposto, mas não posso fazer o que tem que ser feito por você! Uso a compreensão, consigo avaliar qual o estágio da mudança no qual aquele paciente se encontra em cada hábito. Eu vejo o humano por trás das questões nutricionais pelas quais ele me procurou para resolver: 

Às vezes, o paciente chega no meu consultório com hábitos muito ruins. Se eu faço uma dieta restritiva e tiro os alimentos que ele gosta de forma radical, certamente ele vai ter mais dificuldade para se adaptar e, consequentemente, pode não seguir a dieta por muito tempo. Então, na hora de fazer um planejamento, levo em consideração os hábitos alimentares dos pacientes, mesmo que  não sejam tão saudáveis.

“Mas que nutricionista é essa que deixa as pessoas comerem bobagens?”

Uma nutricionista que também é um ser humano! 

Por mais que grande parte da minha rotina alimentar seja bastante regrada (o que não significa que não seja prazerosa), eu também gosto de hambúrguer . Às vezes, me permito comer um alimento não tão nutritivo, porque alimentação vai muito além de fatores biológicos, também envolve questões psicossociais. 

Parece estranho, mas é muito mais eficaz fazer alguns ajustes calculados na alimentação, mas deixar uma opção de um alimento que o paciente goste, do que fazer uma prescrição – perfeita aos olhos da Nutrição – mas que não se encaixa na vida daquela pessoa.

Geralmente, quando os resultados começam a aparecer, o paciente vai se empolgando e fica animado para seguir a dieta e abrir a mente para novos sabores. Afinal, quem não gosta de melhorar a qualidade de vida, com resultados não só vistos pelo espelho, como também sentidos internamente?

Pode ser um processo um pouco mais longo, mas que compensa no final! E você, o que acha? 

Me conta aí nos comentários o que você acha dessa minha filosofia e não se esqueça de me acompanhar nas outras redes!

Instagram Thaís Araújo

Youtube Canal Humaniza Aí!

Instagram Oficina Humana

Linkedin